Com encontros virtuais no IFGW, no IEL e na FEnf o programa “ADunicamp nas Unidades” deu sequência ao aprofundamento dos debates junto a professores/as da Unicamp sobre o relatório final da consulta “Condições de Trabalho Remoto Docente no Contexto da Pandemia de Covid-19”.

A consulta realizada pela ADunicamp nos meses de maio e junho ouviu 400 docentes de todas as Unidades da Universidade sobre questões ligadas ao ensino remoto, imposto pela pandemia. O relatório foi apresentado de forma também virtual em 7 de julho.

“Grande parte dos professores não tinha experiência com o ensino remoto ou intimidade com as plataformas que foram oferecidas pela Unicamp. A consulta revelou os inúmeros problemas, dificuldades e também soluções que apareceram no primeiro semestre”, afirmou, durante a reunião na FEnf, a presidente da ADunicamp, professora Silvia Gatti (IB), que tem dirigido os encontros ao lado da professora Áurea Maria Guimarães (FE), diretora da ADunicamp e uma das coordenadoras do GT (Grupo de Trabalho) que realizou a consulta e o relatório final.

A professora Áurea lembrou que o relatório apontou várias questões que precisam ser aprofundadas e que os encontros nas Unidades têm sido essenciais para isso. “Além de aprofundarmos o debate também estamos levantando as questões específicas de cada Unidade”, disse.

No caso da FEnf e do IFGW, que têm aulas práticas indispensáveis, a questão do ensino presencial foi bastante debatida. A FEnf já desenvolveu protocolos para algumas disciplinas, com número limitado de alunos, equipamentos de proteção e distanciamento.

“Pretendemos fazer um seminário aberto para discutirmos amplamente essas questões e apontar para a Universidade alguns protocolos e propostas para o segundo semestre”, relatou a professora Sílvia.

No IEL, onde a discussão sobre práticas e ferramentas do ensino remoto tem sido intensa, docentes presentes na reunião afirmaram que as avaliações na Unidade têm sido positivas sobre os avanços na forma de transmissão dos conteúdos, mas que ainda existem muitas questões em aberto sobre a interação com alunos/as.

No IEL houve desistência de 20% de alunos/as com o início do ensino remoto. Coincidentemente, foram exatos 20% que declararam, em consulta realizada na Unidade no início do ano letivo, que tinham problemas de acesso à tecnologia.

“Essas são algumas das questões urgentes que precisam ser debatidas, com ampla troca de experiências, para que possamos entrar no segundo semestre sem maiores surpresas”, avaliou a professora Sílvia.

Assim como nos encontros anteriores, bem como nos resultados apontados na pesquisa do GT da ADunicamp, os relatos evidenciaram preocupações como: o grau de inclusão digital dos alunos, as condições de trabalho docente etc. É urgente a necessidade de que seja elaborado um planejamento eficaz, e que este seja feito com participação de todas as instâncias da Universidade.

NOVOS ENCONTROS

Com essas três reuniões, o programa “ADunicamp nas Unidades” totalizou dez encontros realizados nas últimas semanas. O agendamento para encontros do “ADunicamp nas Unidades” pode ser feito pelo e-mail: rose@adunicamp.org.br .