Cerca de 1.000 servidores públicos estaduais, ligados a mais de 40 entidades representativas das diversas categorias do funcionalismo, participaram da reunião da Frente Paulista em Defesa do Serviço Público que ocorreu nesta segunda-feira, 02, no Auditório Tiradentes da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo).

O encontro é parte das mobilizações do funcionalismo público paulista contra o projeto da reforma estadual da Previdência, encaminhado, em novembro, pelo governador João Dória (PSDB) para a Alesp, com a proposta de ser votado ainda este ano. A reforma está na prevista na PEC 18 (Proposta de Emenda à Constituição) e no PLC 80 (Projeto de Lei Complementar).

O projeto tem recebido críticas pesadas das entidades representativas do funcionalismo paulista. “Ele aponta para perdas significativas de direitos e uma queda na qualidade da aposentadoria no serviço público. E foi elaborado sem a participação dos servidores”, afirma o presidente da ADunicamp, professor Wagner Romão (IFCH), que participou do ato.

Quinze deputados também participaram do encontro e se manifestaram a favor das reivindicações das entidades. De acordo com avaliação de lideranças parlamentares, 35 deputados já estariam posicionados contra a reforma. “Mas precisamos de 48 votos para derrubar o PEC 18 e o PLC 80”, apontou Romão. Por isso, as lideranças têm focado suas ações também no parlamento, com o objetivo de levar os deputados a escutar as reivindicações da categoria e votarem contra o atual projeto de Reforma.

Romão informou que muitas categorias têm feito “corpo a corpo” junto aos deputados para discutir detalhes da reforma, com destaque para policiais civis, professores da rede estadual e pessoal da saúde, além dos servidores ligados ao Judiciário. “Nós, do ensino público superior, também estamos ampliando nossa participação”, avaliou.