A Reitoria da UNICAMP insistiu em manter a reunião do CONSU na data de hoje, que homologaria a proposta de reajuste de 1,5% anunciada pelo CRUESP. Essa decisão demonstrou grande insensibilidade com a comunidade universitária. As condições precárias de mobilidade e circulação decorrentes da greve dos caminhoneiros dificultaram tanto a presença de membros do CONSU no campus, quanto a de professores e técnico-administrativos que haviam organizado um ato de protesto contra esse reajuste.

A subordinação dos reajustes salariais à aprovação do CONSU é um procedimento inédito na história da UNICAMP. Na prática, ela  restringe a possibilidade de negociação do CRUESP com os representantes das organizações sindicais.

É fundamental que exista disposição dos dirigentes da Universidade para a ampliação dos ambientes de negociação e diálogo; e para o aprofundamento do convívio democrático entre nós.