Centenas de pessoas acompanharam as aulas públicas, rodas de conversa e exposições de trabalhos científicos e culturais do evento Ciência na Praça, realizado pela ADunicamp (Associação de Docentes da Unicamp) nesta terça-feira, 13, no Largo do Rosário, região central de Campinas.

O Ciência na Praça, que aconteceu ao longo de toda a tarde, fez parte do dia de protesto em defesa da Educação e da Universidade Pública que teve manifestações e passeatas em todas as principais cidades do país contra os cortes do governo do presidente Jair Bolsonaro na educação e na ciência e contra a reforma da Previdência.

Em Campinas, com a participação de professores e estudantes da Unicamp e de escolas secundarias, as manifestações organizadas pelas principais centrais sindicais e por entidades da sociedade civil ocorreram no mesmo Largo do Rosário, às 10h e às 17h, e reuniram mais de mil pessoas.

Durante as aulas públicas e a manifestação, foram distribuídos para a população diversos materiais impressos, preparados pela ADunicamp, com informações sobre a importância da universidade, da ciência e do ensino públicos.

A CBN Campinas fez a cobertura deste dia de atividades, em uma parceria com a ADunicamp.

“Ontem foi um dia especial de manifestações. A Universidade tem sofrido severos ataques em sua autonomia e mesmo na sobrevivência de algumas Federais ou novos campi das Paulistas, que tiveram expansão significativa nos últimos anos. Conquistar visibilidade pública e apoios na sociedade e no meio político é fundamental para reverter esta situação”, analisou Wagner Romão, professor do IFCH/ADunicamp e presidente da ADunicamp, que também destacou a importância da realização do Ciência na Praça.

“Sobre o Ciência na Praça, queremos repetir a dose. Foi muito enriquecedora a experiência, para docentes, estudantes e também para aqueles que assistiram as aulas e apresentações. Mas, entendemos que seria muito importante que a própria Unicamp se preparasse para eventos semelhantes, externos à Universidade, nas regiões da cidade de Campinas e entorno”.

Aulas públicas e Exposições

Confira, abaixo, as aulas públicas e eventos realizados pelo Ciência na Praça:

– “Atualidade do Modelo Mundial de Bariloche”, professor Jose Mário Martinez (IMECC).

– “Simulação Computacional de Rompimento de Barragem por Difusão”, apresentada por um grupo de estudantes sob orientação de Martinez.

– “Os desastres com barragens de rejeitos, com referência a Brumadinho”, professor Jefferson Picanço (IG).

– “Cotas Étnico-Raciais na Universidade Pública: direito ou privilégio?”, professora Débora Jeffrey (FE).

– “Aproximações psicanalíticas aos serviços públicos de saúde”, professora Rosana Onocko Campos (FCM).

– “Conversas sobre Matemática”, professores Ricardo Biloti e Lúcio Santos (IMECC).

– “Democracia e participação” – professora Luciana Tatagiba (IFCH).

– “Unicamp e a Lei Maria da Penha”, pesquisadora Natalia Corazza (Pagu/Unicamp).

– Entre as apresentações científicas, foi realizada uma Exposição de Pesquisas do Centro de Convivência de Afásicos (CCA), organizada pela professora Edwiges Maria Morato (IEL). Foram realizadas, também, exposições com trabalhos realizados por docentes e estudantes dos institutos de Geologia (IG) e Biologia (IB).

Advogados/as do escritório LBS falaram sobre os impactos nas aposentadorias que serão causados pela reforma da Previdência e sobre as mudanças do FGTS.