Reunidos em assembleia geral, nesta terça-feira, 09, professores da Unicamp aprovaram a proposta do Fórum das Seis para a Data-Base 2019. E aprovaram também a constituição de uma Comissão de Mobilização para atuar dentro e fora do âmbito da Unicamp, não só na luta pela recuperação salarial, mas também em defesa das universidades estaduais paulistas, da liberdade acadêmica e contra a reforma da Previdência, uma vez que esses temas também estão na pauta da Data-Base 2019.

A proposta consensuada no Fórum e apresentada na assembleia apresenta um plano de recomposição dos salários de técnico-administrativos/as e docentes da Unicamp, USP e Unesp que considere as perdas desde maio de 2015 (índice Dieese).

O plano de recomposição deverá estar vinculado aos números de arrecadação do ICMS e aos recursos dos royalties do petróleo, com programação para ser iniciado com uma parcela de 8% de reajuste no próximo mês de maio, para todas as universidades, e mais 3% para a Unesp, de forma a compensar a perda da isonomia ocorrida em maio de 2016.

Mobilização

No dia 17 de abril às 12h ocorrerá a reunião aberta para que a Comissão de Mobilização seja constituída. A participação é voluntária e deve ter ampla representatividade de docentes, para além dos membros da Diretoria e do Conselho de Representantes. De acordo com o presidente da ADunicamp, Wagner Romão (IFCH), a comissão se reveste de um caráter especial, diante do ataque que as universidades públicas tem recebido por segmentos da sociedade e integrantes dos governos Federal e Estadual. “A Comissão de Mobilização será fundamental para a organização das ações da Data-Base. Há condições claras para um reajuste salarial digno, como demonstramos em nossa assembleia de hoje (veja aqui o material apresentado na assembleia). Essa mensagem precisa chegar a docentes de todas as Unidades. Contamos com cada docente para esta tarefa”, apontou Romão.