O ano de 2019 tem sido marcado, desde o início, por fortes ataques às universidades, à liberdade de cátedra, à ciência e à pesquisa pública, com ações do governo federal que apontam para o desmonte da atuação sindical.

Esses ataques, sempre recorrentes nos setores mais conservadores da sociedade brasileira, tomaram corpo, passaram a ser agressivos e se desenharam como política de governo a partir do ano de 2018, cada vez mais evidente ao longo do processo eleitoral. O resultado das urnas oficializaria o desenho.

Este Boletim ADunicamp, que abrange as ações da entidade ao longo do segundo semestre de 2018 e início de 2019, mostra como o quadro, hoje instalado, foi tomando corpo durante o período. Assim, mais do que uma publicação de prestação de contas da direção da ADunicamp junto aos seus associados, o presente boletim também aponta alguns caminhos e ações que devem nos orientar no período que temos pela frente.

Como relatado aqui, questões antes focadas em pontos específicos, como a campanha salarial e alguns eventos sociais, se revestiram em 2018 de atos de resistência e defesa da universidade pública, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada. E assim teremos que continuar em 2019.

O conjunto de ações relatado aqui mostra que elas foram fundamentais para que obtivéssemos conquistas e apoios importantes, seja da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), seja na derrubada – infelizmente ainda não definitiva – de uma obscurantista lei conhecida como “Escola Sem Partido” (que tramita na Câmara Municipal de Campinas). No plano interno, ações efetivas de esclarecimento da comunidade foram decisivas para impedir, por exemplo, o fechamento da biblioteca do Centro de Memória da Unicamp, e também para a retirada da pauta da Câmara de Administração (CAD) do “programa de desenvolvimento do quadro docente da carreira do magistério secundário técnico”, um programa elaborado sem a efetiva consulta à comunidade e que pode trazer graves consequências aos docentes do COTUCA e do COTIL.

Em 2018, também avançamos significativamente na proposta de dialogarmos com setores mais amplos da sociedade, em defesa do ensino público de qualidade.

As experiências nos levam a reforçar a importância de ações ainda mais amplas nesta direção, daqui para frente.

Reveja aqui essas e muitas outras ações que realizamos em conjunto nos últimos meses. Não apenas para relembrar, mas para que, a partir delas, possamos traçar juntos as novas e importantes ações e estratégias que o momento exige de nós.

LEIA O BOLETIM AQUI