Assembleia de Docentes da Unicamp, reunidos na ADunicamp no último dia 25 de março, aprovou por unanimidade a seguinte moção:

**

Os/as docentes reunidos/as em Assembleia da Associação de Docentes da Universidade Estadual de Campinas (ADUNICAMP) – Seção Sindical, no dia 25 de março de 2019, repudiam veementemente a comissão criada pelo Ministério de Educação para interferir no Banco Nacional de Itens do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), utilizado para a elaboração das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), e adotado pela Unicamp e outras dezenas de Universidades como forma de acesso a estudantes de todo o Brasil.

O ENEM é realizado há mais de vinte anos e sua prova constitui-se de questões elaboradas por especialistas convidados através de “chamadas públicas para a construção de uma rede de colaboradores interessados em elaborar e revisar itens para o Banco Nacional de Itens, constituindo o Banco de Colaboradores do BNI”. O perfil da prova é, portanto, o retrato de um pensamento médio de especialistas nas diversas áreas do conhecimento de todo o Brasil ao longo das últimas duas décadas. A ausência de pressões e interferências externas ao ENEM foi o elemento garantidor de sua validade pedagógica e como instrumento de avaliação.

A criação da Comissão e sua tarefa “em realizar leitura transversal dos itens disponíveis no Banco Nacional de Itens (BNI) para montagem das provas do ENEM” e “sua pertinência com a realidade social” configura censura, excede competência institucional outorgada ao Poder Público e impede a vigência do pluralismo de ideias no ENEM, com graves impactos à avaliação e ao ingresso de estudantes as universidades.

Assim, nos manifestamos e conclamamos a sociedade brasileira – e sobretudo a comunidade acadêmica – a defender o ENEM deste ataque.

Assembleia de Docentes da Unicamp

**