A primeira edição do programa S/A – Sala Aberta reuniu professores da Unicamp, da USP e de movimentos sociais para discutir os impactos da Reforma Trabalhista proposta pelo governo Michel Temer (PMDB) e dos projetos de lei sobre o tema que tramitam no Congresso Nacional.
O programa é uma produção da ADunicamp, Labjor da Unicamp, Comunicadores Populares, Mídia Livre VaiJão, Socializando Saberes, Usina Geradora, NINA e TV Comunitária Cidade Livre.
Confira:

 
O PRIMEIRO DA SÉRIE
O programa foi dividido em três blocos de entrevistas, com apresentação de artistas convidados nos intervalos entre eles.
O primeiro bloco tratou as questões teóricas e políticas envolvidas nas propostas de mudança na legislação trabalhista; e o avanço da precarização com a institucionalização do trabalho “flexível”. Foram entrevistados Fernando Teixeira, professor do Departamento História da Unicamp e Jorge Souto Maior, juiz do Trabalho e professor de Direito da USP.
No segundo bloco discutiu-se a regulação do trabalho no Brasil e no mundo; e dos impactos que as reformas propostas pelo atual governo irão causar na sociedade. Participam dele Andréia Galvão, professora do Departamento Ciência Política do IFCH, e Dari Krein, do Instituto de Economia – ambos da Unicamp.
O terceiro bloco tratou dos movimentos de resistência articulados no Brasil contra as propostas da Reforma Trabalhista e teve a participação do professor e escritor Lejeune Mirhan, dirigente da Frente Brasil Popular; e do professor José Roberto Cabrera, diretor do Simpro (Sindicato dos Professores de Campinas e Região) e dirigente da Frente Povo Sem Medo
As entrevistas foram conduzidas por Rafael Evangelista, do Labjor, e Sávio Cavalcante, do IFCH.
INTERVENÇÕES
A rapper Luana Hansen, de São Paulo, e o ator Everaldo Cândido, de Campinas, fizeram intervenções ao longo do programa – em ações que Cândido chama de político-artísticas. “Ou provocações artísticas lúdicas e (a)temporais”, insinuou ele.
Cândido é integrante do coletivo Rede Usina Geradora de Cultura e do Ponto de Cultura Nina. Luana Hansen, cantora e atriz, autora de músicas de protesto de cunho feminista, negro e lésbico é reconhecida internacionalmente por suas canções e por sua militância ao lado de movimentos sociais de São Paulo.